sábado, 20 de agosto de 2011

Produtos Populares e Não Produtos Com Elevado Valor Adicionado


Stephen Kanitz
Artigo de 1994, que iniciou a discussão de produtos de baixa renda como o a opção correta para o futuro do Brasil
A política de substituição de importações acabou dando uma direção à economia brasileira não compatível com a realidade.
Nossos desenvolvimentistas da época, com sua política de substituição das importações, criaram uma indústria voltada para produzir bens para os 10% mais ricos da população.
Produtos importados e sofisticados que eram importados pelos ricos passaram a ser produzidos aqui, e assim crescemos.
A má distribuição da renda não foi uma consequência, mas uma necessidade para se escoar a produção. 
Um modelo parece que se esgotou por várias razões: existem cada vez menos ricos no Brasil e no mundo, e os que temos irão de novo importar os seus carros, home theaters etc, com a abertura das importações.
Tentar enfrentar o problema, produzindo produtos com ainda mais qualidade e tecnologia do que os concorrentes no Primeiro Mundo, será uma tentativa desigual.
Países do Primeiro Mundo sempre terão mais escala e menores preços simplesmente porque suas populações são mais ricas. 
A saída será reorientar a produção para os 20, 30, 40, 50% seguintes na escala econômica. Os 50% mais pobres da população infelizmente ainda serão marginalizados. 
As vantagens porém são enormes.
Quando rico fica mais rico, a renda disponível cresce somente uma fração do aumento da renda.
Quando pobre fica mais rico, saia de baixo. Um aumento de 1% de crescimento no PIB, aumenta 3% o consumo de ovos, por exemplo. 
No ano 2000, 2/3 da população mundial será relativamente pobre, e se nós pudermos criar e vender produtos adequados para os nossos pobres, aí sim, teremos condições de exportar competitivamente - para o mundo. E o nosso grande concorrente será a China, e não a Coreia, Japão e Estados Unidos. Meno male. 
Nossas empresas em média estão mal preparadas para o segmento de produtos populares.
Primeiro na concepção do produto. Precisaremos tirar o ABS do freio, o Dolby do som, e tantas outras sofisticações que encarecem o produto. O produto ideal está mais na linha do "Meu Primeiro Gradiente", colorido, resistente e barato. 
Reintroduzir o Fusca foi uma ideia na direção certa, mas o correto seria introduzir a bicicleta com motor.
O meio de transporte compatível com a renda atual do brasileiro médio é a bicicleta de US$ 90,00, e não um carro "popular" de US$ 8 mil. 
Poucos shoppings centers no Brasil foram construídos em cima de metrôs, poucos metrôs possuem áreas de vendas, que poderiam ter sido alugadas.
Pobre possui menos tempo que o rico para fazer compras. Precisa-se ter um carro para comprar na maioria dos shoppings, uma distorção do modelo industrial. 
O governo concentrado em manter seus monopólios relega a sua função de agente de mudança.
Neste novo modelo a ação do governo faz-se necessária. No caso das bicicletas, surgem imediatamente os problemas de trânsito e falta de ciclovias.
No caso dos metrôs, a falta de planejamento. A abertura do comércio aos domingos é condição sine qua non para baratear os custos fixos do comércio. 
Enquanto no modelo industriaI anterior crescia-se primeiro para distribuir a renda depois, a nova estratégia de produtos populares requer o aumento da renda primeiro para depois crescermos.
O que Henry Ford fez ao dobrar os salários dos seus operários. No caso brasileiro, a simples eliminação do FGTS e a sua distribuição imediata ao trabalhador aumentaria a renda sem onerar os custos da empresa. E se o país crescer, os riscos de desemprego serão menores. 
Publicado no Jornal do Comércio 1994

Nenhum comentário:

Postar um comentário